Globo e Regina Casé perdem causa de R$ 2,5 milhões

Apresentadora e emissora foram condenadas por danos morais e uso indevido da imagem de um menor. Decisão cabe recurso

O Tribunal de Justiça de São Paulo publicou nesta terça-feira uma decisão que condena a TV Globo e Regina Casé a indenizarem a família do pequeno Guilherme da Silva Miranda, de 8 anos, em cerca de 2,5 milhões de reais, por danos morais e uso indevido da imagem da criança no ‘Esquenta’. Regina Casé abordou Guilherme na brinquedoteca do Hospital Boldrini, em Campinas e, sem a presença dos pais dele, gravou uma reportagem.

Segundo a sentença que ainda cabe recurso, no dia 1º de novembro de 2015, as imagens de Guilherme foram exploradas pelo ‘Esquenta’ por 12 minutos ininterruptos, o que causou sofrimento aos familiares. Após a veiculação da entrevista, diversas pessoas passaram a abordar os pais de Guilherme, invadindo a privacidade deles e do próprio Guilherme. Guilherme morreu vítima de um câncer agressivo cinco dias após a transmissão do programa. “Houve, então, exploração indevida da imagem do menor, com a finalidade de entreter,” apontou a sentença. Ainda segundo a publicação, a Globo deverá suspender a veiculação e retirar as imagens de Guilherme do site da emissora.

Em depoimento, Regina Casé afirma que não é de sua competência verificar se há autorização dos pais quando menores participam de gravações. E mesmo que tivesse tido algum problema relativo a liberação, a apresentadora crê que não houve oposição dos pais de Guilherme, já que eles mantiveram contato com ela depois do programa e participaram da gravação do ‘Esquenta’ de fim de ano no palco, quando faziam retrospectiva da história de Guilherme.

Em nota, a TV Globo informou que o objetivo do programa foi acolher e confortar o menor e sua família. “Estamos surpresos com essa decisão, já que os pais estavam presentes na gravação, acompanhando o menor, e participaram voluntariamente do programa. A emissora vai recorrer da decisão”, disse. A informação é do jornalista Leo Dias.