Ator capixaba morre aos 81 anos no Rio de Janeiro

Joel Barcellos fez poucas participações na TV. Entre os personagens mais lembrados está Chico Belo, de “Mulheres de Areia” (1993)

O ator, diretor e roteirista Joel Barcellos ​morreu no sábado (10), aos 81 anos. A informação foi confirmada pela prefeitura de Rio das Ostras, onde morava o ator, mas a causa da morte não foi confirmada. Ele foi enterrado na tarde de sábado no Cemitério Nossa Senhora Aparecida, na cidade fluminense.

Nascido em novembro de 1936 em Vitória, Barcellos mudou-se ainda criança para o Rio de Janeiro. Sua carreira de ator começou enquanto cursava a faculdade de agronomia, nos anos 1940 —na época, participava do Teatro Rural dos Estudantes. Mas sua estreia nos palcos veio com “Eles Não Usam Black-Tie”, de Gianfrancesco Guarnieri, no Teatro de Arena.

 

 

Logo enveredou para o cinema, onde atuou por mais de meio século. Seu primeiro filme foi “Trabalhou Bem, Genival!” (1955) e depois vieram “Cinco Vezes Favela” (1962), que marcaria o cinema novo, e “A Falecida” (1965), versão da peça de Nelson Rodrigues, em que dividia a cena com Fernanda Montenegro e Paulo Gracindo.

Depois atuou ainda na direção de longas como “O Rei dos Milagres” (1971) e “Paraíso no Inferno” (1977).

Essencialmente um ator de cinema, Barcellos fez poucas participações na TV. Iniciou na televisão italiana, nos anos 1970 —ele se exilou no país durante a ditadura brasileira.

Entre seus papéis mais conhecidos nas novelas nacionais estão Chico Belo, de “Mulheres de Areia” (1993), e Caveiras, de “O Pagador de Promessas” (1988).